Menu

HIV/AIDS – A Importância do Diagnóstico Precoce

11/04/18

No início da década de 1980, a humanidade encontrou o grande desafio de enfrentar a pandemia da AIDS, doença causada pelo vírus da imunodeficiência adquirida (HIV) e que hoje ocupa lugar de destaque entre os principais problemas de saúde no mundo.

A epidemia da AIDS que, inicialmente, acometia homens adultos com alta escolaridade e práticas homossexuais, passou a atingir também os jovens, grupos sociais de maior exclusão social, pessoas com práticas heterossexuais e mulheres. A doença, que é envolta em preconceito e que leva à discriminação, preocupa as mulheres quanto ao “segredo” da infecção.

Em nosso país, especialmente nos últimos anos, observa-se que a porcentagem dos pacientes com 50 anos ou mais no diagnóstico de AIDS aumentou progressivamente, e mais recentemente, a mais nova característica da epidemia tem sido o crescimento do número de infecções por HIV/AIDS em pessoas com 60 anos ou mais.

Com o avanço das pesquisas, o tempo médio de vida dos portadores da doença tem aumentado significativamente, bem como melhorado bastante a qualidade de vida dessas pessoas. Há alguns anos, o diagnóstico constituía uma verdadeira pena de morte; hoje são verificados vários casos em que os portadores do vírus passam anos sem sequer desenvolver a doença. Isso se deve, principalmente, à eficiência do tratamento, que hoje, no Brasil, é tido como modelo.

Na atualidade, face aos avanços terapêuticos conquistados e disponibilizados, o conhecimento precoce da infecção pelo HIV assegura mais chances de manter uma boa qualidade de vida, a partir de um melhor monitoramento das condições de saúde, além de que, ao conseguir a manutenção de uma baixa carga viral, indiretamente contribui também para diminuir as chances de outras pessoas serem infectadas.

A falha no diagnóstico precoce da infecção pelo HIV durante o pré-natal representa uma oportunidade perdida de intervenção na gestante infectada, limitando as possibilidades de redução da incidência dos casos pediátricos infectados por transmissão materno-infantil.

O controle da transmissão vertical do HIV (gestante para o feto) só será possível quando for priorizado o diagnóstico precoce e for assegurado o tratamento da mulher jovem, especialmente durante a gestação. Nesse caso, a utilização dos testes rápidos, além dos testes sorológicos, pode agilizar o diagnóstico principalmente em áreas com recursos diagnósticos limitados.

Frequentemente, o Ministério da Saúde publica diretrizes para o enfrentamento da epidemia da AIDS, e para reduzir a transmissão vertical e ampliar o diagnóstico do HIV, algumas regiões do Brasil implantaram o Teste Rápido Anti-HIV.

Em 2005, instituiu-se a Portaria nº 34/05, visando a regulamentação do uso dos testes rápidos anti-HIV em situações especiais. Essa legislação objetiva a ampliação do acesso ao diagnóstico da infecção pelo HIV, tendo como justificativa o fato de que o conhecimento do status sorológico e o diagnóstico precoce contribuem para interromper a cadeia de transmissão. Ademais, consta a implantação do uso de testes diagnósticos rápidos anti-HIV em serviços de saúde com organização precária ou localizados em áreas de difícil acesso:

Art. 2º – “O diagnóstico da infecção pelo HIV poderá ser realizado em serviços de saúde localizados em áreas de difícil acesso, em maternidades e em parturientes que não tenham sido testadas para o anti-HIV no pré-natal.”

A praticidade do teste rápido anti-HIV corrobora o uso dele: a metodologia de testagem é simples e produz resultado em, no máximo, 30 minutos; são acondicionados separadamente, permitindo a testagem individual; apresentam sensibilidade e especificidade similares aos Elisa (EIA) e Westem Blot (WB); a coleta da amostra de sangue é pela punção da polpa digital do indivíduo.

Figura 1: Teste rápido para HIV 1 e 2
Figura 1: Teste rápido para HIV 1 e 2

A importância do diagnóstico precoce está ligada à rapidez com que se pode iniciar o tratamento, garantindo uma boa condição de qualidade de vida e, no caso das grávidas, à cura dos bebês em risco de transmissão vertical, além de evitar a propagação da transmissão do vírus a outras pessoas, diminuindo o aumento dos casos da doença.

O teste rápido pode ser realizado em qualquer unidade de saúde, gratuitamente.

Vale ressaltar que a AIDS não tem cura. Ela possui apenas tratamento e a prevenção ainda é a melhor forma de se evitar a doença.

 

REFERÊNCIAS

ABDALLAI, F.T.M.; NICHIATA, L.Y.I. A Abertura da privacidade e o sigilo das informações sobre o HIV/AIDS das mulheres atendidas pelo programa saúde da família no município de São Paulo, Brasil. Saúde Soc. São Paulo, v.17, n.2, p.140-152, 2008.

ALMEIDA, E.L.; ET AL. Adesão dos portadores do HIV/AIDS ao tratamento: fatores intervenientes. REME – Rev. Min. Enferm.15(2): 208-216, abr./jun., 2011.

ARAÚJO, V.L.B.; ET AL. Características da AIDS na terceira idade em um hospital de referência do Estado do Ceará, Brasil. Rev Bras Epidemiol 2007; 10(4): 544-54.

MIRANDA, A.E.; ET AL. Prevalência de sífilis e HIV utilizando testes rápidos em parturientes atendidas nas maternidades públicas de Vitória, Estado do Espírito Santo. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 42(4):386-391, jul-ago, 2009.

SILVA, O.; ET AL. As atuações do enfermeiro relacionadas ao teste rápido anti-HIV diagnóstico: uma reflexão de interesse da enfermagem e da saúde pública. Enfermagem em Foco, 2011; 2(supl):58-62.

 

 

- As opiniões aqui expressas são as do autor e não refletem necessariamente as da Labor Import. A empresa não assume qualquer responsabilidade por erros nas informações aqui contidas, nem por qualquer dano que possa decorrer do uso delas ou da confiança nelas.
  • Se preferir, escolha o assunto :)

  • Tags

  • Posts Recentes



  • Avise-me quando chegar Nós vamos lhe informar quando o produto chegar em nosso estoque. Basta deixar seu email abaixo.
    Email Nós não vamos compartilhar seu email com ninguém.